Novidades no Ensino Médio

Novidades no Ensino Médio

Como garantir uma base de excelência para todos, mas dando ao aluno a escolha de seu caminho formativo

 

Ampliação da carga horária, estabelecimento de uma base comum de conhecimentos e flexibilização do restante do currículo, de acordo com o que o aluno escolher para sua formação. Em resumo, é isso que determina a Lei Federal 13.415, a lei da Reforma do Ensino Médio, sancionada em fevereiro de 2017. Mas o mesmo pode ser dito, também, de algumas mudanças que o Colégio Albert Sabin vem efetuando há algum tempo – e de outra grande novidade, a ser implementada no próximo ano – em sua proposta pedagógica para o Ensino Médio.

Começando pela maior mudança de todas: a partir de 2019, a 3ª série do Médio do Sabin será cursada em período semi-integral, das 7h10 às 15h30, totalizando uma carga horária obrigatória de 1.450 horas no ano. Somadas às 1.150 horas por ano já oferecidas na 1ª e nas 2ª séries, o aluno do Sabin terá recebido, em três anos de Médio, 3.750 horas obrigatórias de aula. Para efeito de comparação, a nova Lei determina que as escolas brasileiras ampliem progressivamente a carga horária mínima de seu Ensino Médio, das atuais 2.400 horas (800 horas/ano) para 3.000 horas (1.000 horas/ano), até o ano 2022. (A Lei também prevê uma ampliação subsequente para 1.400 horas/ano, mas nenhum prazo ainda foi estipulado para que se atenda a essa segunda meta.)

Com o período semi-integral, a 3a série do Sabin deixa de ter o Módulo Especial de Aprofundamento. Na sequência das tardes de segunda, terça, quinta e sexta, a partir das 15h30, o Colégio continuará oferecendo o Programa de Eletivas, inaugurado com sucesso este ano. As tardes de quarta-feira seguem reservadas para as Aulas-Tema – palestras de professores do Sabin ou de especialistas convidados sobre temas da atualidade.

Coordenadora pedagógica do Ensino Médio, Áurea Bazzi explica as razões que levaram o Colégio a pôr fim ao Módulo de Aprofundamento da 3ª série (os Módulos se mantêm para a 1ª e 2ª séries), encerrando, dessa maneira, um dos programas mais longevos da história do Sabin. “Já vínhamos fazendo ajustes na estrutura dos Módulos há alguns anos, sempre para dar mais opções facultativas para o aluno construir sua formação de acordo com seus interesses”, diz Áurea.

Assim, enquanto a participação nos Módulos exigia, necessariamente, a revisão e o aprofundamento de conteúdos das sete disciplinas integrantes – Biologia, Física, Geografia, História, Matemática, Português e Química –, iniciativas mais recentes, como as Aulas-Tema, em 2014, o Programa Mais Foco, em 2016, e o Programa de Eletivas, neste ano, ofereciam aos alunos oportunidades de se dedicar a áreas específicas de sua escolha. “A base daquelas sete disciplinas ainda é fundamental”, diz a coordenadora, argumentando que elas ainda são cobradas nos principais vestibulares. “Se a maioria dos candidatos ao curso de Direito têm facilidade com História e Geografia, provavelmente as provas de Física, Química e Biologia serão um diferencial”. Até por isso essa base geral continuará sendo contemplada na proposta pedagógica da 3ª série; na prática, é como se o Módulo Especial de Aprofundamento tivesse sido absorvido pela carga horária ampliada do período semi-integral. E o fato de o material didático das aulas regulares e dos Módulos ter sido unificado este ano – são as apostilas do Sistema Poliedro – já indicava uma continuidade orgânica entre ambos que o Colégio queria ressaltar.

“Essa coesão sempre foi importante para nós”, diz a diretora pedagógica do Sabin, Giselle Magnossão. “Inclusive, no passado, já foram testados professores externos para os Módulos, mas percebeu-se que, com a mesma equipe docente, o vínculo entre professor e aluno fica mais forte. O professor se sente mais valorizado pela escola e, pessoalmente, mais motivado a ajudar o aluno. Ele abraça o desafio de preparar o aluno para o vestibular”.

Para Giselle, os ajustes implementados no Sabin nos últimos anos mostram-se não apenas alinhados às mudanças recentes na legislação brasileira como condizentes com a filosofia na qual o Colégio sempre se baseou: oferecer uma base de excelência a todos, mas também promover a autonomia de cada aluno, com a possibilidade de caminhos formativos distintos. “É importante lembrar que, mesmo com a carga horária ampliada da 3ª série, nossas aulas regulares, obrigatórias, sempre foram apenas uma parcela da educação oferecida aos alunos, complementada por diversas atividades extracurriculares que eles têm à disposição desde o Ensino Fundamental, como o Programa Sabin+Esportes&Cultura, os Módulos Preparatórios para Olimpíadas Acadêmicas, entre outras”, diz a diretora.  “Nesse sentido, entendo que não estamos fazendo um movimento em resposta à Reforma do Ensino Médio, mas em consonância a ela”.

 

Uma história de qualidade

Nos 25 anos do Sabin, o projeto do Ensino Médio passou por diversos ajustes, todos em busca de garantir qualidade crescente de ensino e de dar aos alunos cada vez mais autonomia na definição de seus caminhos formativos. O histórico dos Módulos de Aprofundamento e de outros programas extracurriculares evidencia essa trajetória.

1994: Primeiro ano letivo.

1996: Início dos Módulos de Aprofundamento – aulas exclusivas para a 3ª série, ministradas pelos professores no contraturno. Material preparado pela própria equipe.

1998: O Sabin experimenta professores externos para os Módulos. Entre 2000 e 2001, as aulas chegam a ocorrer fora do Sabin, no Colégio Anglo de Osasco, por meio de convênio. O material didático passa a ser contratado de diferentes sistemas de ensino.

2002: O Sabin reassume a gestão dos Módulos, que voltam a se dar no Colégio, com o mesmo corpo docente do Ensino Médio. Abertura dos Módulos para 1ª e 2ª séries.

2005: Início do Módulo de seis dias, para alunos da 3ª série com maior rendimento.

2007: Pela 1a vez, o Sabin entre as 10 melhores do Enem (resultado divulgado em 2008).

2014: Aulas-Tema – as tardes de quarta ficam reservadas para palestras sobre temas diversos da atualidade, de professores do Sabin ou convidados. A participação de alunos é voluntária.

2016: Programa Mais Foco – aulas extras após o Módulo Especial (da 3ª série), com conteúdo mais avançado, para alunos com interesse específico (vestibular de Medicina, provas do ITA, etc.).

2018: Programa de Eletivas – reduz-se a duração do Módulo Especial (da 3ª série), e são oferecidos, na sequência, cursos diversos. Material Poliedro passa a ser usado também nas aulas regulares.

2019: 3ª série em período semi-integral – os concluintes do Ensino Médio passarão a ter aulas regulares das 7h10 às 15h30. Na sequência, segue acontecendo o Programa de Eletivas.

Isso aconteceu em 30 de outubro de

O dia do Comerciário

De 2007 , o Brasil foi confirmado como sede da Copa do Mundo de Futebol de 2014

2003a Corrupção no governo Lula: a Operação Anaconda, lançado pela Polícia Federal, foi o juiz federal Rocha Mattos, sob a acusação de venda de sentenças

1988 – Esporte: Ayrton Senna venceu o primeiro campeonato mundial de Fórmula 1 no Grande Prêmio do Japão

1953general George Marshall, o criador do plano de recuperação económica da Europa no pós-guerra, recebeu o prêmio Nobel da Paz, juntamente com Albert Schweitzer, teólogo, filósofo e músico alemão

1938 – Transmissão de rádio da peça “A Guerra dos Mundos”, de Orson Welles, desencadeou pânico na costa leste dos Estados Unidos

Pesquisa e texto: Marina Paula Leite Novaes

# ESTADÃO ACERVO

# Siga: twitter@estadaoacervo | facebook/arquivoestadao | Instagram |

Pesquisador brasileiro oferece uma interpretação alternativa de Dostoiévski – na verdade – Estadão

O trabalho de Dostoiévski e a Dialética: o Fetichismo da Forma, da Utopia como Conteúdo (Editora Hedra), escritor, professor e pesquisador Flávio Ricardo Vassoler, emerge com uma força que é de extrema originalidade e controvérsia. Aqui é a avaliação de Susan McReynolds, um especialista na obra de Fiodor Dostoievski (1821-1881), e professor de Literatura russa da Universidade de Northwestern (EUA) – a instituição pela qual Vassoler fez sua pesquisa – e o crítico literário Manuel da Costa Pinto, que assina o prefácio.

Durante a entrevista concedida ao de facto, vejamos por que, para colocar Dostoievski, em diálogo com o crítico russo Mikhail Bakhtin; os filósofos do alemão Hegel, Karl Marx, e Theodor Adorno (1903-1969); e o pedagogo francês Hippolyte Léon Denizard Rivail, mais conhecido como Allan Kardec, o codificador do espiritismo, Vassoler diz que “Dostoiévski ainda está tornando-se Dostoiévski”.

No livro, você não só reconstrói a tradição crítica em Dostoiévski, na medida em que define o seu âmbito de aplicação. Como esse alcance é relevante para o seu trabalho?

Poderíamos falar em dois momentos fundamentais dessa tradição que foram importantes para que eu era o meu livro como uma obra de contradição: as considerações de Mikhail Bakhtin, Problemas da Poética de Dostoiévski (1929), sobre a possibilidade de o escritor ter erguido uma nova forma literária – romance polifônico integral” – e a complexa relação entre o cristianismo e o socialismo no meio da obra de Dostoiévski.

Bakhtin, com honestidade intelectual, reconhece que o seu livro não consegue demonstrar, no total, como o romance polifônico completa-se. Bakhtin percebe a dialogia – a palavra e as ideias para colocar, e modulada por outra – como condição ontológica dos personagens dostoievskianas. As vozes pertencem a um concerto polifônico. Entrevemos uma crítica velada à ditadura soviética, através do qual as vozes do social não poderia expressar dialogicamente antes da onipresença totalitário. Mas Bakhtin não é examinada sob o signo da contradição. Se você tivesse aproximado dialogia e polifonia da dialética, teria sido possível compreender como ontologia dialógica e do fundo de direitos de autor, a fé e o ateísmo, a compaixão e o niilismo, utopia e distopia são articulados em meio ao trabalho. Neste sentido, eu faço, no meu livro, uma posição incomum no meio da fortuna crítica a ver com a dialética mobilizar as aporias e deficiências que Bakhtin não conseguiu superar, recebendo o que conceituo como a dialética entre o polifônico. Eu proponho, portanto, uma agregação para o projeto que o crítico russo começou há pouco menos de um século.

Falar, então, sobre a relação entre o cristianismo e o socialismo na obra de Dostoiévski.

“Se Deus não existe, tudo é permitido”: o aforismo atribuído a Ivan Karamázov faz-nos compreender que, para Dostoiévski, a morte de Deus e a não-existência da eternidade levaria a uma vacuidade de ética que só você poderá inflar o egoísmo mais teimoso. Em termos de ateus, Dostoievski pode ser lido como a quintessência da vontade de poder e do caos: o assassinato de Crime e Castigo: o ressentimento, Memórias do Subsolo; extorsão, estupro, suicídio, pedofilia, em Os Demônios; parricídio em Os Irmãos Karamázov. Sem Deus, o (suposto) altruísmo socialista seria revertida em opressão e barbárie, assim como os revolucionários chegar ao poder. Dostoiévski trouxe à tona tais reflexões décadas antes de o horror de stalin. Mas, como eu dar uma olhada no o a partir da antítese espiritual em Dostoiévski, se Deus não existe e tudo é permitido, Deus teria chegado a existir. O movimento da história, o que teria o potencial de superar o niilismo com base no resgate das noções de ontologia do ser social e a compaixão, a comunhão e a eternidade. O impulso para o utópico terra – a vinda do Éden – faria sentido se essa vida foi mais um passo na longa, contraditórias e eterno processo de “cura do espírito”.

Neste conceito, o seu livro mais perto de Dostoiévski e de Hegel, e Allan Kardec, outro movimento incomum em face da fortuna crítica. Qual é a influência deles para a obra de Dostoiévski?

A influência exercida pelo idealismo alemão de Hegel sobre o meio intelectual russo é um ponto pacífico entre os estudiosos. A contribuição de allan Kardec para as investigações do espiritual, o escritor é um caminho de controvérsia – e ainda pouco explorada. O pesquisador Rudolf Neuhäuser, Universidade de Klagenfurt, publicou um artigo no jornal Dostoievsky Estudos (1993), alegando que Dostoiévski ler em O Livro dos Espíritos (1857), de allan Kardec. O escritor fala sobre o espiritismo, com um misto de dostoievskiano de admiração e repulsa, em seu Diário de um Escritor, em 1876. Mas, além do contato imediato de Dostoiévski com Kardec, procuro analisar, em diálogo com o conto O Sonho de um Homem Ridículo, a sobreposição filosófica que fazer Dostoiévski, de Hegel, e Kardec entrevejam uma sensação de que o redentor a história, de modo que a (in)finitude da vida devem reconciliar suas feridas e os detritos sob o signo da utopia e da eternidade.

Como você espera que a recepção da obra?

Espero que minhas contribuições pode apertar certas leituras decantadas – e muitas vezes dogmático – que só aproveitar o escritor russo e, agora, como uma coroado niilista, mas como um apóstolo acusação de ortodoxia. Se a forma em Dostoiévski tem o potencial para se lembrar (e ressignificar o processo de coisificação das pessoas e fetichização da mercadoria; se o conteúdo das vozes dostoievskianas ” ( … ) estende-se pela razão de que a história e a eternidade tornar os cruzamentos, pode ser o tempo para compreender Bakhtin, quando ele afirma que “Dostoiévski ainda tem de Dostoiévski”.

*Caio Sarack é mestre em filosofia pela USP e professor do colégio Sidarta e de Nossa Senhora do Morumbi

Tolstói faz uma auto-ficção em ‘Infância, a Adolescência, a Juventude” – na verdade – Estadão

Há epigrama manjado de Italo Calvino: “um Clássico é um livro que todo mundo queria ter lido mas que ninguém quer ler.” Agora, hoje, este aforismo parece expirar. Em todo o mundo, as editoras apostam em coleções de obras universais, com prefácios doce, carismática, e os preços convidativos (clássico não pagar os direitos de autor).

+Tolstói narra o conflito entre cristãos e muçulmanos na região do Cáucaso

+”Uma Confissão”, de Tolstói, apresenta-se a profissão de fé do escritor

Os próprios consumidores seria de reciclagem, entediado com a demanda de mercado para a “próxima coqueluche literária”. Quem ganha é o jogador com a edição dos títulos há muito esgotados, ou ainda não publicados, e os novos e melhores traduções, muitos deles a partir do idioma original. É o caso da Infância, da Adolescência, da Juventude, de Liev Tolstoi, pelo editor, no Entanto.

Tolstói nasceu em 1828, era uma figuraça. Aristocrata por parte de pai e de mãe, com o título de conde, um membro da classe dominante em um país que tinha a forma de escravidão chamada de servidão. Homens, mulheres e crianças eram vinculados por lei à terra que cultivou. Quando foi abolida em 1861, alguns nobres famílias, realizado com mais de 200 mil servos. Por este critério, o Tolstoi não foram plutocratas, mas o escritor não poderia chorar de barriga cheia: ele herdou a fazenda de Iasnaia Poliana, com 4 mil hectares e 330 servos, donas-de-casa 5 e 15 criado, além de um haras com mais de 400 cavalos. Tolstoi, se pavoneava de sua linhagem – uma de suas inúmeras incongruências. O próprio Turgueniev, que babava um omelete completo pelo autor de Anna Karenina, entrou na conversa: “eu não consigo entender esse esnobismo ela, devido a interações de um título de nobreza.”

Preso no absolutismo antediluvianos do Czarismo (Czar, bem como Kaiser vem da parte de César) a intelectualidade, a rússia lutou entre os eslavófilos e os ocidentalistas (o livro para ler é Pensadores russos, Isaiah Berlin). O primeiro postulavam a primazia do ethos russo, hierático, rural e monárquico, contra o racionalismo secular, modernizante e democrática de segundos. Nenhum dos grandes escritores russos foi exclusivamente de carne ou de peixe, através da combinação de diferentes doses dessas duas antinomias. Mas todos (o que poderia ser fatal, e com os autores menor do que realmente era) tendem a ver a literatura como mais do que simplesmente… literários. E para impingir uma propaganda, qualquer que seja, é o caminho mais curto para a ruína de uma obra, para reduzir os personagens fantoches de doutrinas, em vez de apresentá-los como prismáticos e contraditórias. O resultado é quase sempre o maniqueísmo. Tolstói escapou por um triz.

Ele próprio era um turbilhão de contradições. Para começar, entristeceu-o seu ardente desejo sexual. Como entrega o ouro nesta passagem da Juventude: “Vagando por todos os cômodos da casa, em especial pelo corredor dos quartos dos criados.” Como Marx, de Tolstói, teve um filho com uma empregada que nunca reconheceu. Misógino que só, grunhia que as mulheres foram os avatares da “sedutora Eva”. Ele e Sofia Membros constituem um dos piores (e mais bem documentado) casamentos da história. Ela teve 13 filhos, de 22 anos, teve abortos involuntários. Uma das últimas obras de Tolstói, Sonata a Kreutzer, é sobre um marido que mata a esposa. Depois de eliminar a Sofia de seu autor, o escritor fugiu de casa com 82 anos de idade, para morrer na estação ferroviária de Astapovo, em 1910.

Há muito que Tolstói tinha se tornado um guru global, e Iasnaia Poliana, um santuário para os pacifistas, desertores, doente, vegan, aparas. Na maior parte de sua vida, ele não foi escrita de ficção, mas fazendo outras coisas que ele considera mais relevantes. Em 1879, ocorreu a sua chamada para a conversão de um cristianismo primitivo, e para o socialismo agrário, em que o fervor místico aliava a glorificação do campesinato. Em quase caverna Que É a Arte?, anatematizou a estética, e condenou vários autores aclamados, comece com você mesmo. Vestido como um agricultor, ele deixou a barba druida logo acima do umbigo, insistia em ser chamado de “Leão”, libertou seus servos, e tentou alfabetizá-los – os ingratos visto com profunda suspeita.

Foi excomungado pela igreja Ortodoxa, e até hoje não restaurado. Embora a Rússia czarista cortar muitos ensaios de Tolstói, nunca se preocupou. Os soviéticos têm tolerado as obras dele, apesar de sua rejeição do marxismo e da revolução como meio de transformação social. Em um texto brilhante, de George Orwell explica as críticas ferozes de um Tolstói já velho Rei Lear, de Shakespeare, pelo fato de o escritor russo para reconhecer, sem tirar ou colocar, arrogante e egoísta monarca da peça.

A trilogia de Infância, a Adolescência e a Juventude é uma coisa que hoje em dia, combinando modernidade velha senhora na folha, alguns se referem como “auto-ficção”. Tolstói começou aos 23 anos de idade, na região do Cáucaso, durante uma experiência militar. O primeiro volume foi um sucesso – Dostoiévski, então no exílio da sibéria, ele gemeu e ficou-se a saber o autor (nunca rolou). As outras duas partes foram escritas em St. Petersburg. A trilogia narra, em primeira pessoa, os três períodos da vida de Nicolas Petrovich (Nikolenka), o alter-ego do autor, que também perdeu a mãe e o pai cedo. A influência de Rousseau é evidente, tanto na idealização da infância (as crianças são o bom selvagem, erros edênicos), é de uma sinceridade aparente, mas que esconde, pelo menos tanto quanto revela.

No final da vida, de Tolstói, reler a trilogia, antes de escrever suas Reminiscências, e rejeitou as duas últimas partes, por seus “democrática vento”. Felizmente, era tarde demais, ele já legara o tesouro para a posteridade. E, afinal, a arte dele brotou precisamente as contradições agônicas, de partir o coração. Ele foi um mártir e hedonista.

Mas, para mal de seus pecados, foi também um artista para o núcleo. Ele sabia tudo de tudo: da guerra e das corridas de cavalos, de duquesas e prostitutas, das catedrais e dos bordéis de Moscou e a Sibéria. Parafraseando Terêncio, nada de humano é estranho, e nada mais estranho que a humanidade (neste capítulo, apenas, de Shakespeare, é comparável). As suas descrições de pessoas ou de lugares – são incomparáveis vivacidade enorme e doçura, sem sentimentalismo, iguarias verbal que satisfazer, mas nunca empanturram.

Quando Tolstoi decidiu escrever Anna Karenina, que já era um dinossauro, reacionário, e seu objetivo era condenar a mulher adúltera. Só que o artista falou mais alto do que o moralista. Reescreveu o livro, pelo menos, sete vezes, e o protagonista foi transfigurando uma sirigaita bocó uma criatura poliédrica e trágica – a sinfonia prevaleceu sobre o veredicto. Assim, como Infância, Adolescência, Juventude, atesta, de Tolstói, poderia ser um profeta de má qualidade, mas era um gênio de ficção. Há obras mais inteligente do que os seus autores.

*É o autor de ‘O Amor é um Lugar Comum’ (Intermeios)

Nova tradução da ‘Ilíada’, procurando fluidez nos versos de Homero – na verdade – Estadão

O mundo distante dos heróis está viva: a poesia atribuída a Homero (século xviii. 8. C.)., o manifestado, vem sendo renovada, ao longo do tempo, por sucessivas traduções. Deixando de lado as versões em prosa e adaptações, temos, hoje, com quatro tradução em verso da Ilíada, e cinco do Odyssey realizada pela associação brasileira de Manoel] Mendes (1799-1864), traduzido ambos os poemas em versos proféticos; Carlos Alberto Nunes (1897-1990), tanto no metro e original; Haroldo de Campos (1929-2003), a Ilíada em dodecassílabos; Donaldo Schüler, uma Odisséia no verso livre; Trajano Vieira, a Odisséia em dodecassílabos; Christian Werner, os dois poemas em verso livre.

Lançado recentemente pela editora Ubu, a Ilíada, traduzido por Werner vem para se juntar a sua Odisseia, de 2014, que também é feito agora uma edição revista. Ambos os volumes – que contêm os textos de apresentação das epopéias, bem como da tradução – pode ser adquirido em um conjunto, acondicionados em uma caixa.

O trabalho de Werner é o resultado da persistente estudo da poesia homérica, desenvolvido durante a sua posse como professor de língua e literatura grega na USP. Como seria de esperar, sua tradução é refletida e guiada por questões repetidamente discutido no campo de estudos clássicos, como os de natureza oral, composição, homérica, e o uso de expressões formulares, que, como mencionado, seria um “meio expressivo inerente a uma forma tradicional de comunicação”, que constituem “não só um meio de expressão, mas o desempenho.

A antiga tradição oral de desempenho é, portanto, um dos aspectos de orientação a tradução de Werner, que considera, para seus efeitos, a definição de fórmula como “um grupo de palavras repetidas na mesma posição de um verso, ou uma linha inteira que reaparece em contextos que, em última análise, são semelhantes.” O tradutor busca na manutenção das fórmulas, o meio de trazer o mundo épico para os leitores de hoje, que teriam a oportunidade de “experimentar uma lacuna no seu tempo, lugar e linguagem do dia a dia por meio de uma combinação particular de familiaridade e estranheza”.

Esta seria uma forma, assim, contribuir para o eterno renascimento da poesia que é, em si, “a permanência do mundo dos heróis”: “a poesia congela o momento da morte de um guerreiro cujo nome, sem isso, desapareceria”. O que resta de guerreiros como o cavalo de tróia, Heitor e o grego Aquiles, destinado a uma morte violenta, “é participar de um poema em que a violência é, de alguma forma, transformado em beleza”.

Como observou o tradutor Trajano Vieira, professor de língua e literatura grega na Unicamp, em seu prefácio para a tradução da Ilíada de Haroldo de Campos (2003), Aquiles, quando apresentado – surpreendentemente – por Homero como um aedo, o canto 9 do poema, em que canta e toca a lira, “dá conta de que há uma equivalência entre a eternidade da poesia e o guerreiro”. Para Vieira, “tanto herói e poeta, trabalhando para superar a transitoriedade. Daí a insistência homérica em dizer, o tempo todo, o personagem do transtemporal dos feitos heróicos e a poética”.

Para escolher o modo para recriar a poesia homérica, em que o tradutor expressa suas convicções sobre o que a faz “transtemporal”, e a sua recreação prosseguirá, portanto, a sua própria maneira de residência. No caso das traduções de Werner, de pesquisa, de acordo com ele, conferir-lhes as principais características da “clareza, fluência e poética”. O tradutor considera que a estranheza de ser, necessariamente, promovido pelo texto – para quem lê “preciso sentir que você está entrando em um mundo muito diferente do seu” idioma”, homérica, também foi especial para os gregos” – não deve impedir que o leitor, uma vez familiarizado com a dicção empregado, “entre o mundo que está a ser reconstruído”. A “linguagem especial”, usado na tradução é caracterizada, principalmente, pelo uso de adjetivos compostos por justaposição, para a reprodução dos epítetos (para definição dos atributos de um herói ou de uma divindade), como “treme-terra”, “cara-de-Ar”, “alvo de braço”, “doma-de-cavalos”. Tal mudança, digamos, já foi usado, de maneira não uniforme, como neste caso, de Haroldo de Campos (“treme-terra”, por exemplo, é o epíteto de Poseidon, na Ilíada haroldiana). Este modo de treinamento é diferente do dos edifícios adjetivais que caracterizam a tradução de] Mendes, considerada, algumas vezes, difícil, mas cuja concisão e criatividade contribuído para a qualificação do tradutor como uma referência na história da recriação poética no país, após a revisão de seu trabalho realizado para os Campos.

Quanto à poética, Werner responde ao metro fixo do original – o hexâmetro datílico – com a proposta de criação de “ritmo do discurso”, por meio do uso de fórmulas e a distribuição resultante dos sintagmas na parte de trás. Se é possível reconhecer alguns rítmica em sentido amplo, presente no discurso, há, também, a aproximação com a prosa, e a distância de um ritmo corretamente versificatório e musicalidade a ele associada, de forma perceptível na poesia dos gregos. Claro, a proposta opõe-se a soluções como a de Carlos Alberto Nunes, que o foco no jogo o ritmo do verso grego. Também não vale muito, o som das palavras e as oportunidades de associação entre o som e o sentido explorado em traduções anteriores. Eu entendo que uma tradução deve ser apreciado, centralmente, considerando os objetivos a que se propõe: no caso de este, certamente, a importância dada ao item “fluência” é determinante para o resultado obtido pela versificação livre.

Se há eficiência na concepção das expressões formulares, também há momentos que parecem acomodar-se a soluções menos criativo, se esta expressão em relação ao mar, cuja qualidade de som melódico foi destacado por Ezra Pound: no versículo 34 do Canto 1 da Ilíada, de Werner vale, para “polyphloísboio thalásses”, da solução antes tomado por Carlos Alberto Nunes: “o mar ressoante”. Para tal expressão – é possível citar, ilustrativamente – ] usado “fluctissonantes praias e Campos, “políssonas praias”.

A fins de se concentrar na leitura fluente e a “reprodução do sentido do verso, a poesia original, no vernáculo,” não impedem, no entanto, as sequências esteticamente feliz como esta fala de Agamêmnon o Nestor (Ilíada, 2, 370-374): “novos ganhar os filhos dos aqueus, em seu discurso, o velho homem. / Oh, seria, pelo pai, Zeus, Atena e Apolo,/ tinha eu dez conselheiros, aqueus, de que tamanho:/ tão rápido se vergaria a cidade do senhor Príamo,/conquistada e saqueada por nossas mãos./A dor que ele me deu, no entanto, Zeus, o Cronida porta-égide/ me lança em brigas e disputas sem êxito./ Para eu e Aquiles, por causa de uma jovem, pelejamos/com palavras de fronteira.”Ou este discurso de Ulisses a Alcínoo, rei dos feácios (Odisséia, 13, 38-43): “Poderoso Alcínoo, distinto entre todos os povos,/leva-me, incólume, depois de libarem, e alegrar-se./Desde que ele já tenha concluído o que o meu querido coragem, eu queria,/condução e presentes caros: aqueles dos deuses celestes/eu tornar a sorte; em casa, em impecável consorte,/após o retorno, me encontrar com o meu, ileso.”

Assim como Ulisses, polytropon – “O homem que eu narrar, Muse, dos muitos-forma”, na forma adotada por Werner para o início da Odisséia, a tradução fornece, para a escolha de quem se embrenha, vários caminhos. Recriações agora oferecidos ao leitor o caminho com os princípios, meios e fins são definidos. Por possibilidades, além da apreciação de textos literários, sua utilização no ensino como suporte para a leitura do original, devido às suas características, é lamentável que o problema não tem enfrentado o desafio de ser bilíngüe; é uma sugestão para possibilidades no futuro.

*MARCELO TÁPIA É POETA E ENSAÍSTA, DOUTOR EM TEORIA LITERÁRIA E LITERATURA COMPARADA DA UNIVERSIDADE DE